Quarta-feira, 16 de Maio de 2012

Salário mínimo



No dia em que só se fala nos números do desemprego, o governo anunciou, de um modo semi-encapotado, que não vai haver aumento do salário mínimo. Isto porque, dizem eles, há o risco de ninguém querer empregar pessoas a receber salários baixos, se estes aumentarem um pouco. Um salário de 500 euros equivale a receber cerca de 3 euros por hora de trabalho. O governo acha que é muito.
A política PSD/CDS é uma aposta forte na redução do custo da mão-de-obra. Querem Portugal a competir com a China, Taiwan, Vietname e outros que tais. Querem que o país volte ao tempo das crianças a trabalharem nas fábricas, um regresso à cultura laboral da escravidão e da miséria. Enquanto isso, a maior parte da comunicação social, qual rádio Relvas, faz eco de tudo o que o governo diz, sem questionar ou confrontar os decisores com o que é a realidade:


"O aumento do salário mínimo tem um efeito negativo no emprego de trabalhadores com salários baixos." Esta é uma das conclusões apontada pelo Governo no documento sobre a actualização da remuneração mínima para 2012, enviada aos parceiros sociais para discutir esta sexta-feira, em concertação social.

O texto refere dois estudos que sustentam, segundo o Governo, que há poucas vantagens no crescimento da remuneração mínima para 500 euros, sobretudo ao nível da manutenção do emprego dos trabalhadores com baixos salários. 

 

 

Pesquisando na web encontrei dois artigos que dizem o oposto. Não poderiam os senhores jornalistas confrontar o governo com outros estudos, alternativas políticas, e questões pertinentes, em vez de se limitarem a copiar e colar os press-releases que recebem? 


Ficam aqui excertos dos abstracts:


This paper shows that, in an overlapping generations, model with endogenous growth, minimum wage legislation does not necessarily has negative consequences on economic performance. Such legislation can have positive effects on growth by inducing more human capital accumulation. More precisely, a low demand for unskilled labor, induced by a minimum wage, may create an incentive for workers to accumulate human capital. Moreover, it is possible that a decrease in the minimum wage lowers the welfare of each agent in the economy. 

Our computational exercises suggest that redundancy transfers and administrative dismissal restrictions have negligible unemployment effects when wages are flexible or when the minimum wage is low, but a dramatic positive impact on unemployment when there is a high minimum wage. 


publicado por Francisco da Silva às 23:55
link do post | comentar | favorito

.autores

.pesquisar

.posts recentes

. Ainda há esperança?

. Da vergonha alheia

. Vamos a Belém - 25 de Mai...

. Carta a Amélia

. Demissão já

. O PS tem problemas em faz...

. Hasta Siempre Comandante

.arquivos

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds