Quarta-feira, 20 de Junho de 2012

Jornaleiros

 


 

O jornalismo, em geral, que me perdoem os poucos mas bons jornalistas que ainda sobrevivem, é absolutamente miserável. Isto não começou agora com o Relvas, isto já vem de longe. Muitos jornalistas vivem em perfeito conluio com os políticos. Aliás, é costume as grandes figuras da política dividirem os jornalistas entre "os seus" e os outros. Estes jornalistas "ganham-se" com almoços e jantares em sítios caros e na moda, pagos usualmente com despesas de representação do político, ou seja, com os nossos impostos. Também se conseguem recrutar muitos através da sua integração nas comitivas que vão ao "estrangeiro". Por último e menos divulgado, há o método de pagamento directo, em favores, informação e até dinheiro ou presentes. 

Temos, também, muitos jornalistas na lista de pagamentos de diversas agências de comunicação, embaixadas, marcas, clubes desportivos... enfim, tudo o que precisa de um espacinho na imprensa. Os métodos de pagamento não mudam, são os mesmos a que os políticos recorrem. 

Falo disto a propósito do caso Relvas, mas este não é um caso isolado. As pressões políticas sobre os jornalistas são constantes, aceites como práticas normais, tanto pelos agentes do poder como pelos próprios jornalistas. 

 

A pergunta que falta fazer é: porque é que os políticos pressionam os jornalistas?

Se a questão é simples de colocar, também a resposta é simples: porque funciona. 

 

Há sempre um jantar a cobrar, uma viagem, um emprego que se proporcionou... há sempre alguém que conhece não sei quem, que sabe que este jornalista andou a receber daqui, dali e de além. Um primo, um irmão, um colega de infância que trabalha nesta ou naquela redacção, enfim, vocês são portugueses como eu e sabem do que estou a falar. 

Criou-se uma cultura de cadeias de pequenos favores que, todos somados, depois dão frutos. E nesta situação grande parte da culpa é dos jornalistas que entram no jogo. 

 

Dá-me náuseas ouvir certos jornalistas e outros profissionais que vivem dentro deste círculo de favores, a falar sobre o quão corrupta é a política e os políticos. Escrevem como se fossem os D. Quixotes da ética, moral e bons costumes. No entanto, são os primeiros a entrar abertamente neste tipo de esquemas, abertamente e sem qualquer tipo de vergonha na cara, com um ar de que "eu posso porque sou impoluto". Ora estes senhores e estas senhoras têm muita culpa no estado a que o país chegou. Gostam de fazer capas com quanto gastam os nossos governantes. Não se recordam é do quanto é gasto a pagar os seus almoços e jantares, nos restaurantes mais caros do país. Não se recordam de quanto o estado gasta, quando paga as suas viagens e estadias nas comitivas que organiza. Não se lembram da corrupção, quando são eles que beneficiam, nem se lembram de falar em pressões, quando os pressionantes são os que na semana passada, lhes deram uma notícia que fez capa. 

Tal como a classe política, também a jornalística está entranhada de um cheiro a podre. Tanto de um lado, como do outro, há pessoas sérias, firmes, com carácter e bem intencionadas. Vão é sendo cada vez menos... o sistema sente-os como uma ameaça e rejeita-os, como se de um corpo estranho se tratasse.

 

Quero eu com isto desculpar o Relvas? Não... apenas explanar algumas das razões pelas quais o Relvas se vai mantendo: porque muita gente tem comido da sua mão. Pessoas sem qualquer carácter, asquerosamente mercenários, pois servem quem quer que seja, desde que lhes paguem o preço certo. São também eles responsáveis pelo estado a que chegámos. Assobiam para o lado, chamam corruptos e ladrões a todos e vão gozando o fruto do saque. 

 

Há quem lhes chame "Presstitutes", penso que é uma designação que lhes assenta bem. 

 

publicado por Francisco da Silva às 01:20
link do post | comentar | favorito
3 comentários:
De Nascimento a 21 de Junho de 2012 às 19:34
Ando há anos a chamar-lhes isso mesmo : JORNALEIROS!Há umas JORNALEIRAS, que escrevem num blogue( delito de opinião), que dão nojo...uma jornaleira, chamada Teresa Ribeiro e outra, da qual não me ocorre o nome,o que esta gente escreveu, sobre o caso do jornal Publico! O Relvas vai compensá-las, quando a coisa acalmar!
De blablazada a 23 de Junho de 2012 às 22:29
...pelo menos aos políticos volta e meia ainda os apeamos pelo voto...agora “a voz do dono” os jornas esses são eternos (desde que cumpram com o combinado)…assim podemos concluir que do mal o menos…mais nos vale um politico jornaleiro que um jorna politiqueiro...
De Conversa fiada a 6 de Julho de 2012 às 15:40
Para haver um corrompido forçosamente existirá um corruptor, vejamos quem pode ser corrompido e se podemos estabelecer um elo de ligação com determinada classe: jornalistas, câmaras municipais, juízes, polícias, funcionários com capacidade de decisão em organismos públicos [todos eles têm um atractivo irresistível para quem os tenta corromper...poder]. Pergunto-lhe se consegue descobrir o elo de poder que aqui falta? pois é, os outros que também têm poder ainda que sazonalmente, os políticos...
Neste emaranhado de ligações ao poder graça a corrupção, mas a verdade é que todos estes casos não são mais do que meras marionetas nas mãos daqueles que realmente detêm o PODER, os que na sombra, a coberto de qualquer imputabilidade manipulam as peças como se de um qualquer jogo de xadrez se tratasse.
Aqueles que através do dinheiro sujo, e do jogo de influências, puseram este país a saque, e que quando algo está prestes a vir a público, lá puxam eles mais um cordelinho para encobrir a situação, ou então atiram algum incauto para a "fogueira da opinião pública" de forma a que eles saiam sempre incólumes.
Esses é que deveriam ser denunciados, jornalistas? políticos de assembleia da república? isso são tudo peças substituíveis do "grande tabuleiro de xadrez", que lembram os casos de quando a PJ descobre um kg de cocaína enquanto que a 5 km, uma tonelada entra no mercado. São os chamados "peanuts" ou "expendables"... Se assim não fosse como se explicaria que: BPN, BPP, PPP's, Casa da Música do Porto, Pontes, SCUT's, TDT,Casa Pia, Secretas, Operação Furacão, Apito Dourado, Camarate, Freeport, Fraudes no SNS, e a lista continua sem fim à vista... como se explicaria que esses casos fossem ou sejam todos habilmente silenciados... Será culpa do jornalismo? ou de quem na sombra os mantém com rédea curta?
O caso do Relvas, e nisto concordo com Passos Coelho, é um não-assunto comparativamente com estes acima. Se calhar se fossemos procurar como o caso Relvas se dá, o caso mudaria de figura, pois não será o caso Relvas em si, mas sim aquilo ou aquele que o permite. O que acontece para que casos desses possam existir, que tipo de promiscuidade graça por aí para que estas situações tenham lugar?
Infelizmente, esta situação só tem tendência para piorar, pois até o mais distraído já percebeu quem são aqueles que controlam quem dita o que é dito ou não dito nos Media, quem controla o Parlamento, e quem controla o "timing" de determinadas notícias, aquelas que anunciam mais uma medida desagradável... São sempre os mesmos, os do governo sombra. Aqueles que financiam os partidos, para em seguida cobrar o favor... Aqueles que não permitem que certa e determinada notícia venha a público, mas esse facto tem um custo... Mais um tacho, mais uma medida de austeridade, mais isto e mais aquilo....

Estes sim deveriam ser os denunciados e "varridos" para bem longe, os outros, coitados são "peanuts"...

Comentar post

.autores

.pesquisar

.posts recentes

. Ainda há esperança?

. Da vergonha alheia

. Vamos a Belém - 25 de Mai...

. Carta a Amélia

. Demissão já

. O PS tem problemas em faz...

. Hasta Siempre Comandante

.arquivos

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds