Segunda-feira, 3 de Dezembro de 2012

O funcionário de António Costa

 

Não costumo dar protagonismo a certas e determinadas personagens que vivem de vender a sua imagem, até porque há muito que percebi que as pessoas têm a importância que nós lhe damos.

No entanto, li hoje uma vergonhosa conjugação de letras, com o vergonhoso título de "O Partido dos funcionários". Chamo-lhe conjugação de letras porque não passa disso, tal como uma lista das páginas amarelas pode ser lida mas não é um livro.

Não querendo tentar responder à altura, até porque para isso teria de me agachar um bocado para ficar ao nível do passeio, tentarei apenas deixar umas pequenas considerações sobre o acima referido aglomerado de caracteres.

 

Ora diz o burguês que no PCP ou são todos funcionários, ou não podia haver maneira de os delegados do PCP começarem o seu congresso à sexta-feira.

Nesta atoarda percebe-se a ideologia da ave rara que não sabe o que é prescindir de um dia de trabalho em prol de uma causa em que se acredita, na volta porque nunca acreditou em nenhuma... 

Esta personagem, que sempre que realizou trabalho em prol do partido fê-lo como funcionário, claramente não entende nem entenderá nunca o que é ser-se militante. Escusava era de insultar todos aqueles que já o fizeram, que o fazem ou que o virão a fazer.

Tal como em dia de greve se prescinde de um dia de salário, há quem prescinda de um dia ou mais de férias para lutar por aquilo em que acredita, como o Ricardo explicou e bem no post abaixo.

Provavelmente esta ave rara nunca terá feito uma greve, há que o desculpar.

 

Tudo isto passar-me-ia ao lado, não fosse uma questão que me ficou a remoer a consciência. Na altura em que tanto se fala num governo de Esquerda, porquê vir insultar gratuitamente os delegados ao congresso do PCP?

Rapidamente me lembrei dos inúmeros caracteres que a mesma personagem tem dedicado a António José Seguro, tentando ao máximo arrasar com a sua imagem no espaço mediático, ao mesmo tempo que advoga a união das Esquerdas, em particular do Bloco de Esquerda, com o PS.

 

A resposta é simples e tem um Ricardo Costa pelo meio. Se estiverem recordados da convenção do Bloco, Ricardo Costa disse vezes sem conta que essa ave teria feito o trinado da noite, empolando exponencialmente um discurso vazio, ideologicamente e formalmente, que esteve longe de empolgar os delegados bloquistas, nos quais eu me incluía.

A tal coligação de esquerda que a ave rara defende não é com o PS, não é com o PCP, não é sequer com os militantes destes partidos. A coligação que defende é com António Costa, irmão de um dos bosses (no sentido Ostrogoskiano) do grupo Impresa, e da comunicação em Portugal. Alegadamente, claro, porque eu já conheço bem o que a casa gasta.

 

Resumindo e concluindo, Costa tem um funcionário que o ajuda a ir marcando a agenda. Já tinha o Sá Fernandes, juntou também à equipa outro oportunista de serviço. O mesmo que se apresenta como líder da oposição interna do Bloco mas que não vai na lista da moção que escreveu e subscreveu porque tem desprezo por esse detalhe democrático de ir a votos. 

O mesmo que tem grande proximidade com um dos mais antigos funcionários do Bloco de Esquerda, que só interrompeu o seu regime de funcionário para assumir o lugar de deputado, e que ainda hoje é funcionário do partido e que só por isso, poderia ter tido algum decoro e respeito.

Poderia ter tido algum respeito pelos inúmeros funcionários do Bloco de Esquerda que têm todo o mérito e todo o orgulho no seu trabalho, e merecem esse respeito. Mas respeito é coisa que a ele não lhe assiste. 

 

O burguês fala do funcionário como se fosse alguém de somenos importância, como o patrão fala do escravo. Fala dos funcionários como pessoas que não podem ter opinião política, como o escravo que não pode opinar contra o patrão com medo de levar umas chibatadas.

Lá que uns tenham sido toda a vida a voz do dono, não se devem indignar porque outros não o são... 

Podia ter algum respeito por si próprio e pelo seu próprio trabalho, ser funcionário de um partido não é vergonha nenhuma. Vergonha é andar a servir o senhor que se segue ao mesmo tempo que se tenta encurtar a vida ao actual senhor.

Na sua cegueira asna não consegue sequer vislumbrar que António e Ricardo Costa o descartarão assim que tiverem o que querem. Comporta-se como a amante que acredita anos e anos a fio que o seu amor se vai separar da mulher, deixar os miúdos e juntar-se a ela para cumprir o conto de fadas.

 

É pena que numa altura em que se fazem esforços para unir a Esquerda, altura histórica em que o país, a Europa e o Mundo precisam dessa união, ande por aí uma V Coluna a minar os esforços de convergência.

Da minha parte resta-me em nome pessoal, como militante do Bloco de Esquerda, pedir desculpa e dizer aos camaradas do PCP que felizmente este sectarismo é cada vez menor no seio do partido no qual milito. 

 

 

 

publicado por Francisco da Silva às 22:39
link do post | comentar | favorito
7 comentários:
De Roberto Dias a 3 de Dezembro de 2012 às 23:37
A troca da fotografia é propositada?
De Calvas a 4 de Dezembro de 2012 às 10:23
A troca de fotografia... E de nao saberem de quem estao a falar tamanha e a salganhada e confusao!
De José a 4 de Dezembro de 2012 às 10:33
Muito bom. Alguém com coragem para chamar os bois pelos nomes.
De Comunista Libertário a 4 de Dezembro de 2012 às 12:23
O meu sincero elogio ao autor do post.
De Anónimo a 5 de Dezembro de 2012 às 15:16
Epá até pode ter razão naquilo que escreve, mas o Daniel Oliveira que escreveu sobre o Congresso do PCP nada tem a ver com o Daniel Oliveira da foto. Um pouco mais de rigor fica-lhe bem, já que de militância tem que sobra. Ou ficou tão enervado que cegou.
De Helder Gomes a 6 de Dezembro de 2012 às 18:35
É por causa de análises como estas que o PCP está cada vez mais a falar sozinho (só os próprios não reparam).
A má-fé raramente compensa, e a deste texto é evidente.
De ana silva a 15 de Dezembro de 2012 às 01:40
Sr. Helder Gomes

É por causa de comentários como o seu que chegamos à conclusão que algumas pessoas não lêem os post até ao fim (só os próprios não reparam).
A má-fé raramente compensa, e a do seu comentário é evidente.

É que a análise nem sequer é feita por um comunista, veja lá você!

O preconceito comunista toldou-lhe a leitura.

Comentar post

.autores

.pesquisar

.posts recentes

. Ainda há esperança?

. Da vergonha alheia

. Vamos a Belém - 25 de Mai...

. Carta a Amélia

. Demissão já

. O PS tem problemas em faz...

. Hasta Siempre Comandante

.arquivos

. Julho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

.tags

. todas as tags

.subscrever feeds